terça-feira, 22 de novembro de 2011

Entrevista para o PbSaúde



O constante crescimento do número de fisioterapeutas fez com que esta classe se aprimorasse cada vez mais. Esse refinamento contínuo fez desses profissionais seres mais capacitados e mais humanos. Hoje, eles vão além das salas de reabilitação física, e começam a ganhar espaço nas Unidades de Terapia Intensiva e Centros de Reabilitação Pulmonar.
Mas ainda são poucos os fisioterapeutas que conseguem com que pacientes de doenças graves voltem à vida normal. Esses “Anjos de UTI” são fisioterapeutas especializados em Fisioterapia Cardiorrespiratória.
Para entender um pouco mais dessa especialidade, conversamos com Dr. Luan César Simões , fisioterapeuta especializado em Fisioterapia Cardiovascular. Confira!
PBsaúde - Em que consiste a fisioterapia cardiorrespiratória?
Como o próprio nome já nos demonstra, esta especialidade da Fisioterapia relaciona-se com o sistema respiratório e cardíaco, e utiliza estratégias, meios e técnicas visando não somente o tratamento para as diversas patologias que envolvem esses sistemas, mas também para a avaliação e prevenção das mesmas. Em suma, podemos afirmar que esta especialidade tem como objetivo otimizar o transporte e oferta de oxigênio, buscando prevenir, reverter e/ou minimizar disfunções aos órgãos-alvo, promovendo assim a máxima funcionalidade e a qualidade de vida dos pacientes.
PBsaúde - Esse tipo de fisioterapia está atrelada somente à hospitais?
Não, a Fisioterapia Cardiorrespiratória atua não apenas em hospitais, mas também no nível ambulatorial, como no caso das clínicas e consultórios, assim como no domicílio do paciente, principalmente daqueles mais críticos, que muitas vezes necessitam de um acompanhamento constante de uma equipe multidisciplinar para a manutenção da sua ventilação pulmonar.
PBsaúde - Muitos pacientes internados em UTI se submetem à fisioterapia cardiorrespiratória. como é feita a avaliação do paciente?
A avaliação fisioterápica é padronizada de maneira a contemplar os diversos sistemas daquele indivíduo, seja neurológico, cutâneo ou osteomioarticular, por exemplo, isso porque muitas das consequências cardiorrespiratórias podem ser advindas de outras causas e/ou sistemas, por essa razão, se faz extremamente necessário que o profissional fisioterapeuta, realize uma avaliação sistêmica do indivíduo. Do ponto de vista cardiorrespiratório, a avaliação se deterá aos vários aspectos referentes àqueles sistemas, a começar pelas informações contidas nos monitores, como as freqüências cardíaca e respiratória, saturação de oxigênio, pressão arterial e eletrocardiograma; depois desses aspectos dar-se-á prosseguimento com a inspeção do tórax, palpação, percussão, ausculta pulmonar e cardíaca, dentre outros pontos que o profissional achar conveniente.
PBsaúde - Como o fisioterapeuta especializado trabalha com pacientes de UTI? Quais as dificuldades?
Muitas pessoas têm no imaginário que a UTI é um ambiente de pessoas prostradas no leito, entregues à doença ou que estejam praticamente mortas e incomunicáveis; mas essa não é a realidade de todas UTIs, muito pelo contrário. Atualmente a tecnologia, as pesquisas e a qualificação profissional estão causando modificações extremas nas UTIs Brasil afora. Hoje em dia as UTIs estão mais humanizadas e o fisioterapeuta tem toda a liberdade de realizar suas técnicas, métodos e estratégias com toda a segurança com o paciente. Quem poderia imaginar que um paciente de UTI poderia deambular (caminhar) dentro do setor estando entubado e realizando exercícios fisioterapêuticos? Mas hoje o fisioterapeuta pode utilizar as mais variadas ferramentas (com segurança) visando o bem-estar dos pacientes, seja nos exercícios, na deambulação assistida, nas manobras torácicas, enfim, existem muitas possibilidades. A dificuldade que eu poderia citar é ainda a concepção retrógrada de alguns gestores quanto à necessidade do fisioterapeuta para a obtenção de bons resultados na UTI, como também da resistência de alguns profissionais em fazer da UTI um novo ambiente, baseado numa visão contemporânea de Unidade de Terapia Intensiva.
PBsaúde - Pacientes em estado de coma também podem submetidos? como são avaliados seus desempenhos?
Sim, sem dúvidas os pacientes que se encontram em estado de coma também passam pelo tratamento fisioterapêutico em cardiorrespiratória, muitas vezes precisando até mais do que aquele outro que está em estado de vigília, isso porque, aquele paciente comatoso está sem nenhum reflexo de defesa no seu corpo e seu estado impossibilita, por exemplo, a remoção das secreções pulmonares, fazendo com que este indivíduo necessite de uma higienização brônquica; além do mais, por estar fazendo uso de um modo ventilatório controlado pela máquina, este paciente poderá apresentar fraqueza da musculatura torácica, podendo trazer complicações futuras para seu pulmão. A avaliação do ponto de vista cardiorrespiratório de um comatoso se dará através dos vários parâmetros apresentados nos monitores, além dos resultados colhidos nos exames complementares como a gasometria arterial. Existem outras maneiras de se avaliar pacientes no coma, a exemplo da presença ou não de drive respiratório (reflexo respiratório), reflexo de tosse, padrão respiratório, enfim, irá depender da patologia que levou aquele indivíduo à UTI como também se o coma é induzido ou não, por exemplo.
PBsaúde - Ao sair da UTI, os pacientes devem continuar com o tratamento?
Possivelmente após a saída desse paciente da UTI para outro setor do hospital ele será acompanhado por um fisioterapeuta para não só reabilitar a questão cardiorrespiratória, mas também por todas as conseqüentes repercussões pelo período que ele ficou internado na UTI. Depois da sua alta hospitalar, o seu acompanhamento ou não, dependerá das suas seqüelas ou da condição de saúde na qual ele se encontra. Por exemplo, o paciente é portador de Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) há muitos anos, teve uma crise e foi parar na UTI, melhorou, teve alta hospitalar, entretanto dependerá de oxigenoterapia; possivelmente esse paciente será acompanhado por um fisioterapeuta, não apenas para adequar a sua ventilação e oferta de oxigênio, mas principalmente para evitar que esse indivíduo retorne para a UTI futuramente. Daí a importância de uma equipe interdisciplinar para poder fazer os devidos encaminhamentos para que situações como essas sejam minimizadas e até mesmo evitadas.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Curso de Oratória



O infoFisio Recomenda:





O The Speakers estará realizando o Curso de Oratória em João Pessoa nos dias 10 e 11 de dezembro, no auditório da FUNAD, das 08h00 às 12h00 e das 14h00 às 18h00. O ministrante será Marcos Rodrigues, psicólogo e analista de sistemas, escritor, colunista, empreendedor em série, sócio-fundador do Instituto Guia de Ação, idealizador do Congresso Pernambucano de Empreendedorismo e palestrante convidado em dezenas de eventos para mais de 20 mil pessoas.

O preço promocional de 60 reais profissional e estudante será exclusivo para esta turma. 

Garanta já sua vaga! 

Mais informações, entrar em contato com Thales Henrique Sales 
(83) 9927-9278.





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Meu perfil

Minha foto
João Pessoa, Paraíba, Brazil
Mestre em Fisioterapia pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE; Especialista em Fisioterapia Cardiorespiratoria; Graduado pelo Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ. Atualmente é professor universitário, foi fisioterapeuta do Centro de Reabilitação da cidade de Araruna - PB e é Delegado do Conselho de Fisioterapia e Terapia Ocupacional - Regional 1 na Paraíba. Trabalhou no Núcleo de Acolhida Especial do estado da Paraíba pela SEDH e foi pesquisador voluntário de grupos de pesquisa e estudos em saúde na Universidade Federal da Paraíba - UFPB.

infoFisio no Facebook

Seguidores

Visitas do mês

Qual seu estado?

Nos siga pelo Email

Contato:

Email: luancesar_01@yahoo.com.br

Blog Archive

Luan César Ferreira Simões. Tecnologia do Blogger.