sábado, 4 de junho de 2011

Aqui é proibido pular fogueira! A Fisioterapia na Reabilitação de Pacientes Queimados



As tradicionais festas juninas trazem consigo um problema muito comum, as queimaduras. Nesse período, as crianças na faixa etária de 9 a 12 anos são as principais vítimas. Isso porque, o uso inadequado dos fogos pode representar um perigo em decorrência das queimaduras. Estatisticamente, os casos de queimaduras provocadas por fogos de artifício e pela tradição de acender fogueiras, crescem no período junino.

Só para se ter uma idéia, em 2009 foram registrados 46 casos de queimaduras no Hospital Regional de Campina Grande - PB. Desse total, 22 foram provocados por queima de fogos de artifício ou outros motivos juninos, sendo 10 adultos e 11 crianças. Em 2008 a Unidade de Queimados registrou 40 admissões, sendo 17 provocados por fogos de artifício ou fogueiras juninas e outras festividades juninas. Em 2007 foram atendidas no mesmo período 55 pessoas com queimaduras, das quais 16 causadas por fogos e fogueiras. Em 2006, a unidade chegou a internar 45 pessoas, 17 delas vítimas de queimaduras por fogueira.

Introdução

Embora a morbidade e mortalidade de pacientes queimados tenham diminuído dramaticamente nos últimos anos, a epidemiologia das queimaduras permanece a mesma.  A maior incidência é no sexo masculino, podendo ocorrer em qualquer faixa etária, ocupação e situação econômica do paciente. Crianças de até seis anos são vitimas freqüentes de escaldamentos (líquidos quentes) e queimaduras por combustão, constituindo 60% dos casos de acidentes domésticos.
Queimaduras por escaldamento também é comum em idosos. As mulheres constituem 91% dos casos de tentativa de auto-extermínio com utilização de fogo. Queimaduras químicas são produzidas por diversas substancias, e são capazes de causar dano cutâneo ou no trato respiratório, seja por contato direto ou por inalação, esses pacientes compõem uma pequena porcentagem dos atendimentos em centros de queimados. As queimaduras elétricas embora de incidência pequena (5 a 10 %), correspondem a um dos tipos mais agressivos de lesão térmica e geralmente são vitimas de acidente de trabalho.

 Contudo, a queimadura é uma lesão em uma área do corpo provocada por alguma reação térmica, química ou elétrica capaz de produzir um calor excessivo que danifica os tecidos do corpo, podendo ser classificada da seguinte forma:

·         Queimadura de primeiro grau:
É mais superficial e caracteriza-se por deixar a pele avermelhada (hiperemiada) inchada (edemaciada), e extremamente dolorida. Uma exposição prolongada ao Sol pode desencadear este tipo de lesão.

·         Queimadura de segundo grau:
Caracteriza-se pelo aparecimento da bolha (flictena) que é a manifestação externa de um descolamento dermo-epidérmico. Tem uma profundidade intermediária.

·         Queimadura de terceiro grau:
Caracteriza-se pelo aparecimento de uma zona de morte tecidual (necrose). É a mais profunda e a mais grave.
O processo de reparação tecidual dependerá de vários fatores, como local, extensão e profundidade da lesão. A queimadura faz com que o individuo diminua o sistema imunológico além de causar repercussões sistêmicas, fazendo com que a cicatrização demore ainda mais tempo, principalmente em grandes queimados.
Recentes avanços médicos reduziram significativamente o número de mortes por lesões causadas por queimadura, e melhoram o prognóstico e a capacidade funcional dos pacientes que sobrevivem às lesões por queimadura. A taxa de sobrevivência prospera anualmente, graças a melhoria das técnicas clínicas, cirúrgicas e reabilitativas, e à contínua pesquisa sobre o tratamento e cuidados do paciente por lesões de queimaduras.
Uma razão importante para a melhora no prognóstico e sobrevivência de pacientes com queimaduras graves é a existência de centros especializados para atendimento de queimados.

A Pele

O maior órgão do corpo humano é a pele, compreendendo 15% do peso corporal. Ela é indispensável há vida humana, é a parte do organismo que recobre e protege a superfície do corpo, tem como função controlar a perda de água, regular a temperatura corporal e proteção contra atritos.
Forma uma barreira protetora contra a ação de agentes físicos, químicos ou bacterianos sobre os tecidos mais profundos. Contém órgãos especiais que costumam agrupar-se para detectar as diferentes sensações, como o sentido do tato, temperatura e dor. Desempenha um papel importante na manutenção da temperatura corporal, devido à ação das glândulas sudoríparas (do suor) e dos capilares sangüíneos (vasos).
         A pele é dividida em camadas sendo elas a epiderme a derme e hipoderme, existem ainda vários órgãos anexos como glândulas sudoríparas, sebáceas e folículos pilosos.
A epiderme é uma camada com profundidade diferente conforme a região do corpo. Áreas com maior atrito como palmas das mãos e pés têm uma camada mais grossa, e chegam a até 2 mm de espessura. Ela não possui vasos sanguíneos, os nutrientes e oxigênio chegam à epiderme por difusão a partir de vasos sanguíneos da derme.
A derme é um tecido conjuntivo de sustentação da epiderme. É constituído por fibrinas de colágeno e elastina com numerosos fibrócitos que fabricam estas proteínas e sustentam o tecido. É na derme que se localizam os vasos sanguíneos e linfáticos que vascularizam a epiderme e também os nervos e os órgãos sensoriais a eles associados.

Os órgãos sensoriais são:
Corpúsculo de Pacini - sensíveis à pressão; 
Corpúsculo de Meissner - com função de detecção de pressões de freqüência diferente;  
Corpúsculo de Krause -  sensíveis ao frio (pele glabra); 
Orgão de Ruffini - sensíveis ao calor;
Célula de Merkel -  sensíveis a tato e pressão; 
Folículo Piloso com terminações nervosas associadas;
Terminação nervosa livre com dendritos livres sensíveis à dor e temperatura.

A hipoderme é constituída por tecido adiposo que protege o organismo contra o frio. É um tecido conjuntivo frouxo (adiposo) que faz conexão entre a derme e o músculo. Tem a função de reservatório energético, isolante térmico, modela a superfície corporal, absorção de choque e fixação dos orgãos.

Comprometimentos Indiretos e Complicações das Queimaduras

Dependendo da extensão da lesão térmica, da profundidade e do tipo da queimadura, podem ocorrer complicações sistêmicas secundárias. Além disso, a saúde, a idade e os estado psicológico do paciente que foi queimado afetarão essas complicações.


·         Infecção
As infecções são as principais causas de mortalidade devido a queimaduras. Algumas sepas (conjuntos) virulentas de pseudômonas aeruginosas e Staphylococcus aureus são resistentes aos antibióticos e têm sido responsáveis por infecções epidêmicas em centros de queimaduras.

·         Complicações Pulmonares
Qualquer paciente que tenha sido queimado em um local fechado deve levantar a suspeita de ter uma lesão por inalação. Entre os pacientes com queimaduras, a incidência de inalação da fumaça pode ser acima de 33% e essa chega a 66% naqueles com queimaduras faciais. Vários estudos apontam essa relação em queimaduras graves e que a morte por pneumonia é atribuída à maioria das mortes após lesão térmica.
Os sinais de uma lesão por inalação incluem: - qualquer queimadura facial; - pêlos nasais chamuscados; - tosse áspera; - rouquidão; - sons respiratórios anormais; - dificuldade respiratória e - secreção carbonácea e/ou hipoxemia.
Para o diagnóstico da extensão da lesão por inalação, o procedimento mais útil é a broncoscopia.

·         Complicações Metabólicas
A lesão térmica traz um grande desafio metabólico e catabólico para o corpo. As conseqüências do aumento da atividade metabólica e catabólica após uma queimadura são a rápida diminuição no peso corporal, equilíbrio negativo do nitrogênio e uma diminuição nas reservas de energia que são vitais para o processo de cicatrização.
Como parte das alterações do metabolismo, o tecido muscular é usado preferencialmente como fonte de energia. Essa situação combinada aos efeitos do repouso no leito faz com que os músculos atrofiem e torna o indivíduo fraco devido tanto á queimadura quanto à hospitalização.

·         Função Cardíaca e Complicações Circulatórias
As alterações hemodinâmicas ocorrem quando há uma transferência de líquido para o interstício (espaço entre as células), que subseqüentemente reduz o volume do plasma e do líquido dentro dos vasos sanguíneos em paciente com queimadura. Após essas alterações, ocorre uma tremenda diminuição inicial do débito cardíaco, que pode atingir 15% dentro da primeira hora após a lesão.
Ocorrem também alterações hematológicas e circulatórias, as quis incluem alterações na concentração e função das plaquetas, fatores de coagulação e componentes dos leucócitos; disfunção das hemácias; e diminuições na hemoglobina e hematrócito. Essas alterações fisiológicas, associadas às alterações cardíacas e às lesões dos leitos vasculares, causam um impacto significativo nos esforços de ressuscitação e, se o paciente sobrevive, na rapidez que ele se recuperará. Além disso, os indivíduos se tornarão descompensados do ponto de vista da resistência física.

·         Neuropatia
A neuropatia periférica em queimados pode assumir duas formas: polineuropatia ou neuropatia local. A causa da polineuropatia é desconhecida. Felizmente, a maioria das neuropatias se resolve com o tempo.
As neuropatias locais podem ser causadas por diversos fatores, a maioria deles centrados em questões do próprio tratamento da queimadura, como bandagens compressivas muito apertadas, talas mal ajustadas ou posicionamento prolongado e inapropriado do paciente.

·         Cicatrizes patológicas
Cicatrizes de queimaduras ocorrem em áreas profundas e parcialmente espessas que apresentam cura espontânea e, em queimaduras de grande amplitude cuja região recebeu implante parcial de pele. As cicatrizes tornam-se patológicas quando se apresentam na forma de hipertrofia, encurtamento ou ambos. Essas formas são particulares e não podem ser definidas como sinônimos. O paciente pode apresentar uma cicatriz que não altera os movimentos ou uma banda de encurtamento que não está hipertrofiada; no entanto, ambas as condições podem existir simultaneamente.

Fisioterapia na Reabilitação de Pacientes Queimados

Até pouco tempo a fisioterapia só poderia iniciar sua abordagem terapêutica após a alta hospitalar. Hoje, apresenta grande alteração, iniciando já na fase aguda, portanto, a reabilitação de um paciente com queimaduras começa no momento que ele chega ao hospital e é um processo que sofre mudanças constantes, podendo ser modificado diariamente.
A fisioterapia sempre foi vista como uma terapia empregada em pessoas que apresentavam seqüelas. Na queimadura, ela exerce um papel preventivo, caso seja iniciada precocemente. Caso contrário, o paciente poderá desenvolver seqüelas, principalmente pela imobilização ou pela posição antálgica que exerce. Quanto mais precoce for iniciada a fisioterapia, melhores serão os resultados futuros.
A reabilitação física consiste na prevenção de contraturas nas cicatrizes, preservação da ADM normal, prevenção ou minimização de cicatriz hipertrófica e deformidade estética, manutenção ou melhora da força muscular e resistência física cardiovascular, retorno da função e desempenho nas atividades de vida diária (ADM).
A avaliação inicial de um paciente determinará quais áreas precisam ser tratadas primeiro. Controle e resolução de edema e preservação da ADM geralmente são as prioridades iniciais do tratamento fisioterapêutico. A elevação dos membros e o encorajamento do movimento ativo, principalmente das mãos e dos tornozelos, ajuda a minimizar a formação de edema. A prevenção de contraturas nas cicatrizes pode ser conseguida através do posicionamento, colocação de talas e exercícios. O exercício e a deambulação também ajudarão a minimizar os efeitos deletérios do repouso no leito. Após o fechamento da ferida, massagem e compressão ajudarão a minimizar a formação de contraturas e a lidar com as cicatrizes.
Temos de ter em mente que todo período será cercado de muita insegurança, incerteza e que um dos maiores obstáculos enfrentados pelo paciente é o medo da dor ou qualquer situação que possa precipitá-la. A dor contribui significativamente para uma resposta emocional que envolve ansiedade, depressão, agressão e regressão, complicando, e muitas vezes impedindo, a recuperação física e conseqüentemente acarretando seqüelas.
Torna-se necessário, ou melhor, imprescindível, que o profissional seja firme e constante em suas colocações, mas que consiga exercer um elo de confiança para que não ocorra ao paciente a associação de que sempre ao movimentar-se sentirá dor, levando-o a realizar o contrário do que queremos, que é movimentar-se ativa e constantemente. 
A proposta mais aceita hoje em dia é que se realize um programa Fisioterapia intensiva, ou seja, diariamente ou se possível duas vezes ao dia durante a internação e uma vez ao dia após alta hospitalar, ambulatorialmente ou domiciliar.
A grande preocupação na qual o fisioterapeuta deve se deter é no que diz respeito ao gasto metabólico que este paciente possa vir a ter com o excesso de exercício ou intensidade do mesmo. É de primordial importância o cumprimento de um programa fisioterapêutico bem distribuído, onde não sejam sobrecarregados nenhum membro, região ou órgão, pois sabemos que este paciente apresenta um processo de intenso catabolismo. A integração do fisioterapeuta com os demais profissionais, principalmente o médico e os da nutrição, que estão ligados ao processo alimentar, estará diretamente ligada ao sucesso ou insucesso do tratamento. 
É importante ressaltar que a recuperação do paciente queimado depende, acima de tudo, do seu desejo de superar suas limitações, de enfrentar seu sofrimento e, principalmente, da sua vontade de viver, pois é preciso acreditar que nada é superior à nossa própria vontade de vencer.

As deformidades mais comuns a serem evitadas são:

• Mão em garra.
• Flexão de punho.
• Alterações interfalangianas.
• Alterações metacarpofalangianas.
• Adução ou abdução do polegar.
• Flexão de cotovelo.
• Pronação de antebraço.
• Flexão com abdução de coxofemoral.
• Pé eqüino ou equinovarum.
• Flexão de cervical.
• Axilar com restrição para abdução e anteroversão de ombro.
• Contratura de boca, olhos ou nariz impedindo abertura ou fechamento normal. 

Diante do exposto, o trabalho dos profissionais especializados em queimadura, na tentativa de sua reabilitação, é difícil, estressante, árduo, mas gratificante. Ao vermos recuperado aquele paciente que adquiriu novamente sua autonomia, sua emancipação, temos a certeza que sempre valerá nos aprofundarmos nas pesquisas, nos estudos, para uma melhor qualidade de vida destas pessoas que tiveram sua integridade física, psíquica e social mutiladas. 

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Festa surpresa de aniversário!



Providenciei minha própria comemoração, espero que gostem!!


A hora da festa!

domingo, 29 de maio de 2011

Nota de agradecimento


Nesta semana fiquei muito feliz em ver a mobilização dos meus colegas de profissão, clientes e amigos em torno das matérias aqui postadas. É realmente muito gratificante ver nosso trabalho sendo reconhecido e elogiado por todos aqueles que nos visitam, principalmente quando comemoramos a marca de mais de 10 mil acessos em apenas três meses de Blog. 
Aproveito para reinterar que este blog é um meio para que as discussões e debates ultrapassem as barreiras físicas e geográficas, chegando nas mais diversas localidades com uma informação simples e objetiva, fazendo com que o profissional, cliente e/ou amigo saiba mais sobre a Fisioterapia e a saúde de maneira geral, interferindo de maneira importante nas medidas preventivas e promotoras de saúde.
Continue visitando nosso Blog; qualquer sugestão de matéria, crítica e/ou sugestão poderá ser enviada para o email >> luancesar_01@yahoo.com.br
Muito obrigado!

Atenciosamente,
Luan César Simões
Fisioterapeuta - 142222-F
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Meu perfil

Minha foto
João Pessoa, Paraíba, Brazil
Mestre em Fisioterapia pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE; Especialista em Fisioterapia Cardiorespiratoria; Graduado pelo Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ. Atualmente é professor universitário, foi fisioterapeuta do Centro de Reabilitação da cidade de Araruna - PB e é Delegado do Conselho de Fisioterapia e Terapia Ocupacional - Regional 1 na Paraíba. Trabalhou no Núcleo de Acolhida Especial do estado da Paraíba pela SEDH e foi pesquisador voluntário de grupos de pesquisa e estudos em saúde na Universidade Federal da Paraíba - UFPB.

infoFisio no Facebook

Seguidores

Visitas do mês

Qual seu estado?

Nos siga pelo Email

Contato:

Email: luancesar_01@yahoo.com.br

Blog Archive

Luan César Ferreira Simões. Tecnologia do Blogger.